VOLTA À PRÁTICA DO EXERCÍCIO

Estamos convivendo com o Covid há mais de um ano, alguns vacinados, a grande maioria aguardando a vacinação. Um grande número de pessoas querendo iniciar ou retomar uma atividade física. No consultório muitas pessoas perguntam qual o exercício ideal, qual a intensidade?

Na indicação do exercício devemos pesar alguns fatores.

O primeiro é o condicionamento da pessoa. Ganhar um bom condicionamento físico é difícil e demorado, perder é automatico e rapidinho, perdemos massa muscular e uma boa forma cardiovascular após 2 a 3 meses sem exercícios.

Se a pessoa não parou por completo a prática do exercício, sempre é recomendável retomar com um volume e intensidade menores do que estava habituada e retomar gradativamente sua atividade, sem tentar recuperar o tempo perdido.

Mas se houve uma interrupção de meses, devemos considerar aquela pessoa como um sedentário.

Pessoas como mais de 45 anos, principalmente homens com antecedente de doença coronariana na família, devem fazer um bom exame clinico e se possível um teste ergométrico. Isso já minimiza problemas músculo esqueléticos e cardio vasculares.

Quanto ao tipo de exercício, devemos respeitar o conforto físico e emocional do paciente. 

Um sujeito obeso que queira correr, deve ser orientado a reforçar a musculatura de membros inferiores e começar com uma caminhada e progressivamente iniciar a corrida, exemplificando começar com 5 minutos de caminhada e um minuto de corrida e gradativamente ir invertendo, até chegar a 5 de corrida e um de caminhada. Agora ele estará pronto para  manter a corrida continuamente, sem desconforto. Mas devemos considerar que esse é um processo que pode durar meses

Em muitos casos vejo pessoas que tiveram indicação de hidroginástica ou natação, mas não têm nehuma afinidade com atividades aquaticas. O ganho com o exercício se perde no desconforto emocional. Devemos indicar de acordo com o problema, biotipo e biomecânica um exercício que não agrave o problema e que seja feito com satisfação.

Enfim não tem receita de bolo. Cada pessoa com sua singularidade deve praticar o exercício ao qual melhor se adaptar.

E o principal, manter as medidas de distanciamento social e usar máscara para evitar o risco de contaminação